Poems From The Portuguese

GUERRA JUNQUEIRO AVENUE

GUERRA JUNQUEIRO AVENUE

to Rui Miguel Ribeiro

A beer, an esplanade, pigeons
pattering around the scrawny shrubs
– a sort of untouchable peacefulness.
I think how this very moment would be different
had I been admitted to hospital for a month,
at the mercy of tests and a firm promise of death.

I think how I’ve never had a melanoma, cirrhosis,
a stomach hernia, those things
that friends of mine have endured.
And some lines by Emily Dickinson come to mind
very similar to this strong light of Lisbon.

I think how after all I have
a real hell,
though small,
for, like yours, it’s deadly.

© Translated by Ana Hudson, 2010

AVENIDA GUERRA JUNQUEIRO

para o Rui Miguel Ribeiro

Uma cerveja, uma esplanada, pombas
rondando os magros arbustos
– uma espécie de serenidade, intocável.
Penso como seria diferente este preciso momento
se me tivessem internado durante um mês,
à mercê de exames e de uma firme promessa de morte.

Penso que nunca tive um melanoma, uma cirrose,
uma hérnia no estômago, essas coisas
por que passaram alguns amigos meus.
E lembro-me de uns versos de Emily Dickinson
muito parecidos com a luz forte de Lisboa.

Penso que tenho, afinal,
um inferno pequeno
mas verdadeiro
por ser, como o vosso, mortal.

in A Nova Poesia Portuguesa, 2010

No Comments :